domingo, 27 de março de 2016

Uma Viagem no Tempo

Lembrando que é só clicar sobre as imagens para vê-las em tamanho maior.


Hoje vamos falar de uma das (se não a mais) maiores personalidades da época da Segunda Guerra: Anne Frank.  
Grafite na rua do museu
Quem nunca ouviu falar sobre a história dessa menina corajosa que emocionou a todos através de um diário?
O museu de Anne Frank em Amsterdã é famoso no mundo inteiro, porque foi o esconderijo deles no passado, mas em Berlim também há um museu, e é muito interessante.

Anne e sua história:
Uma menina judia de 12 anos viveu com a mãe, o pai e a irmã mais velha na Alemanha. Com a ascensão de Hitler e de sua ideologia nazista, a família Frank decidiu deixar a Alemanha e se mudar para a Holanda. A família Frank conseguiu levar uma vida normal. Otto Frank, o pai de Anne, arrumou um emprego, Anne e sua irmã iam à escola e tinham seus amigos. Com a ameaça de Guerra, a família Frank tenta emigrar para outros países, como por exemplo a Inglaterra ou os Estados Unidos, mas sem sucesso. A segunda guerra mundial começou com a invasão da Polônia em 1o de setembro de 1939. Em 10 de maio de 1940, as tropas alemãs invadiram a Holanda e o país se rende. Com diversas leis e restrições contra os judeus, a vida foi ficando cada vez mais difícil para Anne e sua família, que decidem que o melhor é se esconder. O esconderijo, já preparado previamente para uma futura necessidade, se encontrava no escritório de Otto Frank. Em 5 de julho de 1942, Margot, a irmã de Anne, recebe uma convocação para se apresentar ao campo de concentração de trabalho forçado na Alemanha. Eles então decidiram se esconder antes do previsto, e no dia seguinte vão para o “Anexo Secreto” como Anne o chamava. Juntaram-se aos Frank mais 8 pessoas, dentre colegas de trabalho de Otto a dentistas.
Os funcionários do escritório cuidavam deles, traziam-lhes comida, roupas, livros e noticias do mundo.
Anne registra tudo em seu diário, que recebeu em seu aniversário um pouco antes de terem que se esconder.
Em 4 de agosto de 1944, todas as pessoas do Anexo Secreto são presas junto com seus ajudantes. Anne e sua família são deportados para Auschwitz na Áustria.
Otto Frank foi o único sobrevivente de sua família. Voltou a Amsterdã em busca de sua esposa e filhas, mas a única coisa que encontrou foi o diário da jovem Anne.
Ele lê o diário e descobre uma jovem muito diferente do que aparentava, uma jovem que gostaria de ser escritora ou jornalista. No diário ela expõe seu desejo de tornar aquele diário um romance publicado, e com a insistência de algumas pessoas, ele realiza o desejo de sua filha.
O diário de Anne Frank já vendeu mais de 30 milhões de cópias e foi publicado em mais de 60 países e traduzido para mais de 70 idiomas.

Sobre a visita ao Anne Frank Zentrum:
O museu da Anne Frank está localizado no coração de Berlim. É uma exposição pequena, focada no diário e na vida da jovem Anne, mas também podemos ver documentários sobre jovens de Berlim falando sobre o assunto, sobre atuais problemas do mundo e o que querem para o seu futuro.

O museu fica em um prédio no final de um beco, que por ser um lugar tão diferente se torna um dos locais tradicionais de Berlim, já pode ser considerado como parte do museu.

Entrada do Anne Frank Zentrum em Berlim

A entrada é baratinha e estudantes têm desconto. O passeio em geral é rápido, mas super bacana e vale muito a pena fazê-lo.

Endereço:
Rosenthaler Straße 39 – 10178 Berlin

Horário de Funcionamento:
Terça a Domingo, das 10h às 18h.

Como chegar:
S-Bahn / Estação: Hackescher Markt
Tram / Estação: Hackescher Markt
U-Bahn / Estação: Weinmeisterstraße


Nenhum comentário:

Postar um comentário